xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.show_simple

dc.contributor.advisorVasconcelos, Pedro Fernando da Costapt_BR
dc.contributor.authorMartins, Lívia Caríciopt_BR
dc.date.accessioned2016-01-26T13:58:44Z-
dc.date.available2016-01-26T13:58:44Z-
dc.date.issued2003-
dc.identifier.citationMARTINS, Lívia Caricio. Caracterização taxonômica do Vírus Minaçu (isolamento BE AR 548794) um possível novo arbovírus. 2004. 97 f. Dissertação (Mestrado em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitários) – Centro de Ciências Biológicas, Universidade Federal do Pará, Belém, 2004.pt_BR
dc.identifier.urihttp://patua.iec.gov.br/handle/iec/2010-
dc.description.abstractNa Amazônia brasileira, já foram isolados 190 tipos diferentes de arbovírus, e 34 deles estão associados à infecção humana. Portanto, é fundamental o desenvolvimento de estudos para caracterizar novos isolamentos desses vírus. O objetivo desse trabalho foi realizar a caracterização taxonômica do Vírus Minaçu (Be AR 548794), obtido de um lote de Oclherotatus scapularis capturados em Minaçu-GO, utilizando as técnicas de: inóculo viral em cultivos de células VERO e clone C6/36, testes sorológicos (IH, FC e IFI), teste de sensibilidade ao desoxicolato de sódio (DCA), técnicas de microscopia eletrônica de transmissão, eletroforese do ARN viral (PAGE) e ensaio experimental em camundongos recém-nascidos infectados com o Minaçu pela via intracerebral para análise histológica (HE) e imuno-histoquímica (IHQ). O Vírus Minaçu se replicou e produziu efeito citopático em células VERO, sendo positivo por IFI. As células C6/36 se mostraram refratárias ao vírus mostrando resultados negativos por IFI. Por FC não foi observado cruzamento sorológico do Minaçu com soros imunes dos arbovírus isolados no Brasil, observando reação somente com o soro imune anti-Minaçu. As partículas do Minaçu destituídas de envelope viral apresentaram tamanho médio de 75 nm de diâmetro, as quais foram vistas apenas no citoplasma celular e não possuem hemaglutinina para glóbulo de ganso. Por PAGE o ARN mostrou que o Vírus Minaçu possui um genoma com dez segmentos. Nos animais inoculados com o Vírus Minaçu, alterações anatomo-patológicas (necrose e apoptose) por HE foram observadas no cérebro, fígado, coração, baço e nos rins. A IHQ desses tecidos usando o sistema de peroxidade, mostrou presença de antígenos virais em todos os órgãos, porém com mais intensidade no cérebro, fígado e coração. Com base nos resultados obtidos, o vírus Minaçu foi classificado na família Reoviridae, gênero Orbivirus como um novo vírus para a ciência.pt_BR
dc.format.mimetypeapplication/octet-stream-
dc.language.isoporpt_BR
dc.publisherUniversidade Federal do Parápt_BR
dc.rightsAcesso Embargadopt_BR
dc.titleCaracterização taxonômica do Vírus Minaçu (isolamento BE AR 548794) um possível novo arbovíruspt_BR
dc.title.alternativeTaxonomic characterization of the Minaçu Virus (isolation BE AR 548794): a possible new arboviruspt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.subject.decsPrimaryVírus minaçupt_BR
dc.subject.decsPrimaryArbovirus / classificaçãopt_BR
dc.subject.decsPrimaryArbovirus / isolamento & purificaçãopt_BR
dc.subject.decsPrimaryCamundongospt_BR
dc.subject.decsPrimaryEcossistema Amazônicopt_BR
dc.subject.decsPrimaryBrasil (BR)pt_BR
dc.creator.affilliationMinistério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Instituto Evandro Chagas. Ananindeua, PA, Brasil.pt_BR
dc.degree.grantorUniversidade Federal do Parápt_BR
dc.degree.levelMestrado Acadêmicopt_BR
dc.contributor.memberPinheiro, Francisco de Paulapt_BR
dc.contributor.memberBensabath, Gilbertapt_BR
dc.contributor.memberIshak, Ricardopt_BR
dc.contributor.memberPóvoa, Marinete Marinspt_BR
dc.degree.departmentCentro de Ciências Biológicaspt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Biologia de Agentes Infecciosos e Parasitáriospt_BR
dc.degree.date2004-02-16-
dc.degree.localBelém / PApt_BR


xmlui.dri2xhtml.METS-1.0.item-files-head

Thumbnail

xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.head_parent_collections

xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.show_simple