xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.show_simple

dc.contributor.advisorRosa, Elizabeth Salbé Travassos dapt_BR
dc.contributor.authorCatenacci, Lilian Silvapt_BR
dc.date.accessioned2018-03-08T12:12:14Z
dc.date.available2018-03-08T12:12:14Z
dc.date.issued2017
dc.identifier.citationCATENACCI, Lilian Silva. Abordagem one health para vigilância de arbovirus na Mata Atlântica do sul da Bahia, Brasil. 2017. 309 f. Tese (Doutorado em Virologia) - Instituto Evandro Chagas, Programa de Pós-Graduação em Virologia, Ananindeua, 2017.pt_BR
dc.identifier.urihttp://patua.iec.gov.br//handle/iec/3073
dc.description.abstractAo menos cinco epidemias causadas por arbovírus (Vírus da Febre Amarela, Vírus Dengue, Vírus Febre do Nilo Ocidental, Vírus Chikungunya e Vírus Zika) têm surgido nos últimos séculos. Muitos outros arbovírus são zoonóticos, infectando artrópodes e animais selvagens em seus habitats silvestres, bem como humanos, acidentalmente. Com a intensificação da agricultura, pecuária, desmatamento, mobilidade de pessoas e densidade humana, o padrão de interação vírus-vetor-hospedeiro também tem sido alterado. Neste estudo, monitoramos artrópodes, animais e populações humanas para avaliar o risco de arboviroses em áreas rurais entremeadas por fragmentos da Mata Atlântica na Bahia, Brasil. Entre 2006 e 2014, coletamos 196 amostras de sangue de primatas de vida livre (Leontopithecus chrysomelas e Sapajus xanthosthernos) e 47 amostras de preguiças (Bradypus torquatus e Bradypus variegatus). Além disso, fezes de micos-leões foram coletadas para testes coproparasitológicos. Nos mesmos locais onde mamíferos foram amostrados, investigamos potenciais vetores de arboviroses com capturadores e armadilhas de CDC. Finalmente, em 2014, foram coletados sangue de 523 pessoas de 11 comunidades que viviam perto dos locais onde os animais silvestres eram monitorados. Embora saudáveis, micos estavam parasitados com nematódeos e/ou cestódeos. Além disso, durante necropsia de um Leontopithecus encontrado morto, identificamos o acantocéfalo Prosternochis elegans. A coleta de sangue em preguiça-de-coleira gerou os primeiros valores hematológicos para esta espécie, que poderá ser útil em avaliações de saúde. Anticorpos contra 26 arbovírus pertencentes a quatro gêneros (Flavivirus, Alphavirus, Orthobunyavirus e Phlebovirus) foram investigados. A prevalência de anticorpos contra arbovírus em mamíferos selvagens foi de 26,8%, sendo maior para B. torquatus (41%), seguido de L. chrysomelas (25,4%), S. xanthosthernos (14,3%) e B. variegatus (14,3%). Usando modelos lineares generalizados, descobrimos que a exposição não estava associada ao sexo ou idade, mas foi maior em preguiças do que micos-leões. Em humanos, a prevalência foi de 70,3%. Entre os gêneros, Flavivirus apresentou a maior prevalência tanto para animais (21,1%) como pessoas (69,8%). Os animais silvestres e pessoas foram expostos a 13 e cinco espécies de arbovírus, respectivamente, quatro dos quais foram comuns em ambos os hospedeiros (ILHV, DENV-3, EEEV, CARV). Através de regressões logísticas, constatamos que devido pessoas viverem perto de fragmentos de floresta e com macacos de vida livre em torno das áreas diminuiu o risco de infecção. Isso pode ser explicado pelo efeito de diluição, onde aumento da biodiversidade tende a diluir interações parasita-hospedeiro-ambiente-vetor e consequentemente, risco de doenças. Finalmente, nossa pesquisa identificou 49 artrópodes, sendo culicídeos com maior abundância e riqueza. Teste de RT-PCR com primers gênero-específicos foram utilizados para detecção viral em artrópodes. Seguido por sequenciamento, detectamos ROCV, MAYV, Kamiti river e Mosquitos flavivirus. A alta prevalência em mamíferos selvagens e humanos, juntamente com a presença de vetores infectados, sugerem circulação e risco de transmissão de arbovírus nas áreas amostradas. O risco de exposição pode aumentar com desmatamento e contato entre pessoas, animais selvagens e vetores. Os resultados foram compartilhados com universidades, serviços de saúde e meio ambiente, zoológicos e comunidade local. Este estudo apresenta uma iniciativa para integrar saúde das pessoas, animais e meio ambiente em uma abordagem One Health.pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titleAbordagem one health para vigilância de arbovirus na Mata Atlântica do sul da Bahia, Brasilpt_BR
dc.typeTesept_BR
dc.subject.decsPrimaryArboviruspt_BR
dc.subject.decsPrimaryProteção Ambientalpt_BR
dc.subject.decsPrimaryMonitoramento Ambientalpt_BR
dc.subject.decsPrimaryAnimais Selvagens / virologiapt_BR
dc.subject.decsPrimaryDesmatamentopt_BR
dc.subject.decsPrimaryArtrópodespt_BR
dc.creator.affilliationMinistério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Instituto Evandro Chagas. Ananindeua, PA, Brasil.pt_BR
dc.degree.grantorInstituto Evandro Chagaspt_BR
dc.contributor.advisorcoVasconcelos, Pedro Fernando da Costapt_BR
dc.contributor.memberMuniz, José Augusto Pereira Carneiropt_BR
dc.contributor.memberCarvalho, Valéria Lima dept_BR
dc.contributor.memberChiang, Jannifer Oliveirapt_BR
dc.contributor.memberUhart, Marcelapt_BR
dc.contributor.memberChame, Marciapt_BR
dc.degree.departmentNúcleo de Ensino e Pós-Graduaçãopt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Virologiapt_BR
dc.degree.date2017-08-30
dc.degree.localAnanindeua / PApt_BR


xmlui.dri2xhtml.METS-1.0.item-files-head

Thumbnail

xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.head_parent_collections

xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.show_simple