xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.show_simple

dc.contributor.authorMonteiro, Talita Antônia Furtado-
dc.contributor.authorGomes, Maria de Lourdes Contente-
dc.contributor.authorNoronha, Vânia Lúcia Cavalcante-
dc.contributor.authorSousa, Maria dos Remédios Sousa-
dc.contributor.authorOliveira, Consuelo Silva de-
dc.contributor.authorGusmão, Rosa Helena Porto-
dc.contributor.authorFreitas, Ronaldo Barros de-
dc.contributor.authorLinhares, Alexandre da Costa-
dc.date.accessioned2018-07-13T17:42:09Z-
dc.date.available2018-07-13T17:42:09Z-
dc.date.issued1998-
dc.identifier.citationMONTEIRO, Talita Antônia Furtado et al. Prevalência de anticorpos para o vírus de Epstein Barr (EBV) em Belém, Pará. Revista Paraende de Medicina, v. 12, n. 2, p. 8-12, maio - ago. 1998.pt_BR
dc.identifier.issn0101-5907-
dc.identifier.urihttp://patua.iec.gov.br//handle/iec/3225-
dc.description.abstractCom o objetivo de determinar a prevalência de anticorpos IgG para o vírus de Epstein Barr (EBV) e da infecção causada por esse agente, foram colhidas 1.116 amostras de soro, sendo 853 oriundas de pacientes atendidos no ambulatório do Serviço de Virologia Geral do Instituto Evandro Chagas no período de junho de 95 a junho de1996; e 263 amostras de soro de indivíduos assintomáticos, procedentes da comunidade, coletados no período de setembro a novembro de 94. Todas as amostras foram analisadas pelo procedimento imunoenzimático -"Elisa" (Kit da Clark laboratories, Jamestown-NY-USA). Do total de pacientes examinados, 72,5 por cento (807/1.116) possuíam anticorpos IgG para o EBV com índices de prevalência de 66,9 por cento (571/853) e 89,7 por cento (236/263) a níveis ambulatorial e comunitário, respectivamente (p 0,001). Em 6,7 por cento (58/853) dos casos sintomáticos com detecção de anticorpos IgM para o EBV observaram-se febre (60,3 por cento), linfadenopatia (50 por cento), erupção cutânea e faringite em (17,2 por cento).pt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.publisherFundação Santa Casa de Misericórdia do Parápt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titlePrevalência de anticorpos para o vírus de Epstein Barr (EBV) em Belém, Parápt_BR
dc.title.alternativePrevalence of antibody to Epstein Barr (EBV) in Belém, Pará, Brazilpt_BR
dc.typeArtigopt_BR
dc.subject.decsPrimaryInfecções por Vírus Epstein-Barr / epidemiologiapt_BR
dc.subject.decsPrimaryAntígenos Nucleares do Vírus Epstein-Barr / sanguept_BR
dc.subject.decsPrimaryInfecções por Vírus Epstein-Barr / diagnósticopt_BR
dc.subject.decsPrimaryAnticorpos Antivirais / sanguept_BR
dc.subject.decsPrimaryPrevalênciapt_BR
dc.subject.decsPrimaryFatores Socioeconômicospt_BR
dc.subject.decsPrimaryEstudos Soroepidemiológicospt_BR
dc.subject.decsPrimaryEnsaio de Imunoadsorção Enzimática / métodospt_BR
dc.creator.affilliationMinistério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Instituto Evandro Chagas. Belém, PA, Brasil.pt_BR
dc.creator.affilliationMinistério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Instituto Evandro Chagas. Belém, PA, Brasil.pt_BR
dc.creator.affilliationMinistério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Instituto Evandro Chagas. Belém, PA, Brasil.pt_BR
dc.creator.affilliationMinistério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Instituto Evandro Chagas. Belém, PA, Brasil.pt_BR
dc.creator.affilliationMinistério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Instituto Evandro Chagas. Belém, PA, Brasil.pt_BR
dc.creator.affilliationMinistério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Instituto Evandro Chagas. Belém, PA, Brasil.pt_BR
dc.creator.affilliationMinistério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Instituto Evandro Chagas. Belém, PA, Brasil.pt_BR
dc.creator.affilliationMinistério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Instituto Evandro Chagas. Belém, PA, Brasil.pt_BR


xmlui.dri2xhtml.METS-1.0.item-files-head

Thumbnail

xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.head_parent_collections

xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.show_simple