xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.show_simple

dc.contributor.advisorVallinoto, Antonio Carlos Rosáriopt_BR
dc.contributor.authorAbreu, Isabella Nogueirapt_BR
dc.date.accessioned2020-12-16T12:03:35Z-
dc.date.available2020-12-16T12:03:35Z-
dc.date.issued2020-
dc.identifier.citationABREU, Isabella Nogueira. Investigação do poliomavírus humano 2 em ostras comercializadas no nordeste paraense, Brasil. 58 f. Dissertação (Mestrado em Virologia) - Instituto Evandro Chagas, Programa de Pós-Graduação em Virologia, Ananindeua, 2020.pt_BR
dc.identifier.urihttp://patua.iec.gov.br//handle/iec/4211-
dc.description.abstractO HPyV2 foi isolado pela primeira vez em 1971. Este vírus é conhecido por ser o agente causador da Leucoencefalopatia Multifocal Progressiva (LEMP), uma doença desmielinizante que acomete o sistema nervoso central. A transmissão deste vírus acontece geralmente na infância, e pode ocorrer por diversas vias, como a via respiratória, fecal-oral, urino-oral, transplante renal e por meio da transmissão horizontal. O genoma viral é frequentemente detectável na urina de indivíduos saudáveis, assim como em pacientes imunossuprimidos, nos quais este vírus pode sofrer uma reativação viral. A falta de saneamento básico e coleta de esgoto tem como consequência a presença desse vírus em águas residuais, água para consumo, águas de rio e em mariscos, uma vez que são animais filtrantes e são consumidos na sua forma in natura, sendo um grande risco para a saúde humana. Deste modo, tivemos como objetivo investigar a ocorrência de contaminação ambiental por meio da detecção do poliomavírus humano 2 em amostras de ostras comercializadas no nordeste paraense e otimizar um protocolo de qPCR para detecção do HPyV2 em amostras de ostras. Para isso, no período de junho de 2018 a setembro de 2019, foram obtidas 217 ostras provenientes de cinco municípios do estado do Pará: Augusto Corrêa, Bragança, Curuçá, Salinópolis e São Caetano de Odivelas. As ostras foram dissecadas e maceradas para a obtenção de uma solução tecidual líquida e homogênea, em seguida foram divididas em grupos, onde foram formados 22 pools para análise viral. Foi realizada a técnica de concentração viral a partir do macerado total e posteriormente, foi realizada a extração do DNA por Fenol-Clorofórmio, no qual o material genético foi diluído para posterior análise através do método de qPCR para amplificação da região VP1 do capsídeo viral. A frequência da infecção pelo poliomavírus humano 2 foi calculada por meio da fórmula de taxa de detecção com auxílio do software Microsoft Office Excel versão 2016. Dos 22 pools analisados, o HPyV2 foi detectado em 18,2% (4/22) das amostras analisadas em qPCR, com uma frequência de 25%, 20%, 20% e 16% nos municípios de Salinópolis, Augusto Corrêa, São Caetano de Odivelas e Curuçá, respectivamente. No município de Bragança não foram registradas amostras positivas. Neste trabalho foram desenvolvidos iniciadores específicos para cinco espécies de ostras, para uso como controle endógeno na reação de qPCR, sendo de grande importância para trabalhos futuros. Os resultados obtidos evidenciaram uma alta contaminação do HPyV2 em amostras de ostras comercializadas no nordeste paraense, demonstrando que esse vírus está em circulação nos municípios estudados. Portanto, é necessária a implementação de medidas para o melhoramento na coleta de esgoto e do saneamento básico, a fim de evitar a transmissão do vírus por meio de água e alimentos contaminados.pt_BR
dc.language.isoenpt_BR
dc.language.isoporpt_BR
dc.publisherInstituto Evandro Chagaspt_BR
dc.rightsAcesso Abertopt_BR
dc.titleInvestigação do poliomavírus humano 2 em ostras comercializadas no nordeste paraense, Brasilpt_BR
dc.typeDissertaçãopt_BR
dc.subject.decsPrimaryVírus JC / isolamento & purificaçãopt_BR
dc.subject.decsPrimaryInfecções por Papillomavirus / transmissãopt_BR
dc.subject.decsPrimaryOstrea / anatomia & histologiapt_BR
dc.subject.decsPrimaryPoluição da Águapt_BR
dc.subject.decsPrimarySaneamento Básicopt_BR
dc.subject.decsPrimarySalinópolis (PA)pt_BR
dc.subject.decsPrimaryAugusto Corrêa (PA)pt_BR
dc.subject.decsPrimarySão Caetano de Odivelas (PA)pt_BR
dc.subject.decsPrimaryCuruçá (PA)pt_BR
dc.subject.decsPrimaryBragança (PA)pt_BR
dc.subject.decsPrimary
dc.creator.affilliationMinistério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Instituto Evandro Chagas. Programa de Pós-Graduação em Virologia. Ananindeua, PA, Brasil.pt_BR
dc.degree.grantorInstituto Evandro Chagaspt_BR
dc.degree.levelMestrado Acadêmicopt_BR
dc.contributor.memberMascarenhas, Joana D’Arc Pereirapt_BR
dc.contributor.memberMonteiro, Jacqueline Cortinhaspt_BR
dc.contributor.memberQueiroz, Maria Alice Freitaspt_BR
dc.degree.departmentNúcleo de Ensino e Pós-Graduaçãopt_BR
dc.degree.programPrograma de Pós-Graduação em Virologiapt_BR
dc.degree.localAnanindeua / PApt_BR


xmlui.dri2xhtml.METS-1.0.item-files-head

Thumbnail

xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.head_parent_collections

xmlui.ArtifactBrowser.ItemViewer.show_simple